Garage Cookin

Garage Cookin’ - A legitima representação da natureza, em pintura, submete o mundo aos gestos de corte e recomposição de crenças, arquétipos, grelhas ou ópticas de perspectiva. Estes mesmos gestos de corte e colagem - de fusão e deslocamento -, não constituem apenas um modo de representação da natureza; eles estruturam também a representação dos episódios e elementos identitários de uma história reconhecida como palco nobre da pintura.

É sobre a superfície historicamente habitada da tela que as marcas residuais se organizam enquanto discurso e alquimia de poéticas e elementos que a pintura sempre repensa, re-apresentando e reorganizando os dados da experiência. O mundo humanamente experienciado torna-se assim storia no decurso de um processo de recuperação da visibilidade. Ocorre uma nova espacialização dos tempos de vivencia e narrativas cujo elemento essencial será o próprio princípio de intervalo que duplamente define o processo de gestação plástica e esse mesmo discurso identitário que nos dá a ver cada imagem inscrita no quadro.

Sob o mote de Garage Cookin’, o autor retoma as referências à intertextualidade e mestiçagem de referentes tão comuns ao idioma crioulo quanto ao próprio processo de constituição universal da história e do conhecimento. Na sequência dos trabalhos concebidos ao longo da sua estadia em North Providence (Rhode Island, EUA) onde transforma o espaço de uma típica garagem americana em atelier de experimentação plástica, estes trabalhos reflectem uma nova etapa de pesquisa assente sobre os rituais de próximos ou longínquos quotidianos.

Mafalda Serrano

Agradecimentos: Eduarda Costa Ferraz, Rui Jordão, Mafalda Serrano.

Genudo. Técnica mista sobre tela. 70x100 cm. 2002. Colecção Câmara Municipal da Praia.
Genudo. Técnica mista sobre tela. 70x100 cm. 2002. Colecção Câmara Municipal da Praia.